Quando só restar você

Muita gente desanima de continuar vivendo. Isso é mais comum do que se pode imaginar. Fatos acontecem, reviravoltas na vida, desilusões, relacionamentos doentios, doenças, perda de emprego e tantas outras coisas pequenas e grandes. A vida não mede a dosagem, não se preocupa com as consequências.

Quando isso acontece e acontece para todo mundo, cabe a cada um buscar uma força de superação dentro de nós mesmos. Isso é muito difícil. Animar, dar um sorriso, cantar uma linda canção… Parece tão simples não é? Mas não é quando o coração está triste, desanimado, desesperançoso.

De todos os fatos mais comuns, os relacionamentos são o que mais adoecem os seres humanos. Existe uma necessidade existencial de cada pessoa ser amada, quando isso não acontece, independente da idade, ocorre o adoecimento. Sentimentos como tristeza, melancolia, angústia, mágoa, raiva, cansaço e tantos outros se mantém como um vulcão prestes a entrar em erupção, unidos e revoltos por muito tempo podem levar a depressão.

Nesse último mês tantas pessoas falaram sobre o suicídio. Muita gente acha que é tão raro acontecer, mas acontece e acontece com frequência. Cada vez mais pessoas desistem da vida. O que é muito preocupante.

Se analisarmos friamente nossa sociedade e como vivemos nela já teremos muitas respostas. As relações estão superficiais, os pais não conseguem ou não querem ser pais. Os filhos carentes de atenção e afeto se tornam adultos frios e por sua vez deixam de dar atenção e carinho, isso vira um ciclo sem fim de relações frustradas e expectativas não supridas.

Raras exceções encontro famílias que conseguem dar aquilo que cada um precisa. O amor está morrendo. Os pais se preocupam mais em crescer profissionalmente para dar “o melhor” para seus filhos e seus filhos solitários em casa sonham com o melhor que seus pais poderiam lhe dar: presença, afeto e amor. Infelizmente os valores estão trocados, e as crianças, jovens e adultos se perdem no que realmente é importante.

Quando ouço jovens dizendo que não tem amor pelas suas vidas, que falta afeto e diálogo em suas casas, que quase não veem seus pais, que queriam mais união na sua família, fico pensando em como despertar esses pais para enxergar seus filhos. O tempo está correndo, a hora para resolver questões tão importantes é agora!

Dói demais ver alguém desistir da vida, mas eu consigo entender. Toda história que ouço, cada dor sentida, cada lágrima derramada e sentimentos destrutivos acumulados dentro de si tem um porquê tão grande que leva o fio da esperança embora. Como profissional na área da saúde mental preciso reconectar esse fio de esperança, de fé, de amor. Por maior que seja a tristeza, desistir de si mesmo é uma dor imensurável.

Cada pessoa que sente ou pensa nisso precisa ser ajudada. Não pense que seja apenas ameaças ou porque quer chamar atenção. Muitas vezes as pessoas chegam ao suicídio por conta da depressão. Infelizmente muita gente acha que depressão é falta disso ou daquilo, não se atentam ao sofrimento alheio, julgam sem compreender. Como falta empatia no mundo!

Se você conhece alguém que passa por isso, ajude, ouça, acolha, ame, dê suporte, mas não feche os olhos. Não se omita. Muita gente poderia ter sido ajudada no decorrer desses anos se a gente se importasse mais, se a gente se colocasse no lugar do outro pelo menos uma vez.

Para aquele que sofre, não desista. A vida por mais dura, por mais pesada e aparentemente cruel ainda assim vale a pena ser vivida. Procure ajuda, mas não silencie sua dor por noites a fio. Não engula suas lágrimas e não internalize tanta tristeza.

Porém, se um dia só restar você, se não puder contar com mais ninguém, saiba que dentro de cada um de nós há um poder de cura descomunal. Uma luz no meio de tanta neblina e não é preciso mais que o raio de luz para iluminar a escuridão da nossa existência.

Você é importante, é único, sua vida tem sentido e você deve acreditar nisso. Existe um dom que é só seu, descubra-o e ilumine o mundo com a sua luz!

Deixe seu comentário. É muito importante para mim.