Dando tchau para quem não acrescenta nada na minha vida

Chegando o fim do ano e aquela vontade de renovar tudo só cresce dentro da gente não é? Fazemos listas com vários objetivos e sonhos para 2017, esperamos que seja melhor do que este, fato que eu acredito piamente que será, visto que este ano foi um daqueles que muita gente quer esquecer!

E como acontece? Arrumamos a casa, faxinamos as gavetas e armários, no coração a ansiedade do novo que já está quase ali batendo na porta. O fim do ano é o período que mais aprecio, os enfeites de natal, as pessoas andando alegremente pelas ruas, nem que seja para sair comprando na última hora, há uma esperança no ar, uma energia que emana de toda criatura… As luzes iluminam as árvores, as mensagens que chegam e nos emocionam, a família reunida. Ah eu amo o fim do ano!

Só que muita gente esquece de faxinar um lugar difícil de mexer… Não porque seja impossível, mas pode doer e machucar quando movemos os móveis, limpamos a sujeira e recolhemos os entulhos. Não, não é de uma casa que estou falando, mas dos nossos corações!

Como andam sujos, maltrapilhos, estropiados, massacrados, remendados… E o mais interessante que limpamos objetos, desfazemos de coisas, mas não harmonizamos o que realmente importa. No nosso coração fica uma represa, algo que guardamos e raramente deixamos escapar algum resíduo, isso é um perigo!

Andamos com roupas novas, nas cores branca, amarela, rosa, azul, verde, vermelha, que simboliza isso ou aquilo na virada de ano, mas por dentro não passamos de miseráveis, a deriva da vida, alheios ao mundo, empoeirados e enraizados nas nossas mesquinharias de sofrimentos que nada acrescentam e só minam o restinho de esperança dentro de nós!

Limpamos a casa, recebemos visitas, sorrimos em companhia de amigos, familiares e colegas, mas por dentro sentimos uma solidão que dói e aperta, que nos faz chorar sozinhos no banheiro.

Postamos fotos, conhecemos o mundo, despertamos a inveja alheia, mas por dentro somos mais pobres emocionalmente que muitas pessoas que moram na rua ou que vivem na miséria absoluta!

Mantemos nosso corpo maravilhosamente definido por fora e por dentro não somos capazes de olhar nossos olhos no espelho… Temos medo do que podemos ver… Temos milhões de amigos, mas quando mais precisamos não tem um para nos estender a mão… Temos uma mesa farta, mas por dentro estamos esfomeados de afeto!

E eu pergunto para quê, para quem? Claro que devemos cuidar do corpo, claro que podemos estar nas redes sociais, claro que podemos manter muitas amizades… A dificuldade está nas nossas relações, as pessoas se tornaram descartáveis, informatizamos o contato, não priorizamos o essencial, consumimos objetos e infelizmente até pessoas.

A crise não é só econômica, a sociedade está em crise, as relações estão em crise, uma hora devemos despertar ou sabe-se lá! E é por isso que neste ano vou fazer diferente, vou faxinar meu coração…

Vou varrer da minha vida quem não acrescenta nada, vou encaixotar e sair distribuindo o que dá para aproveitar, certa de que outras pessoas podem gostar… Vou tirar do guarda roupa as decepções, as tristezas, as mágoas como quem joga fora o que não serve à ninguém.

Vou jogar fora tudo que me faz sentir cansada, pesos desnecessários. Vou sair distribuindo o perdão, vou abastecer a geladeira de coisas gostosas. Quero um coração cheio de doce, de chocolate, de mel. Quero por flores nos vasos e jogar fora os jornais velhos, as revistas de outros anos e contas que não serão pagas. Vou desfazer dos entulhos.

Vou lavar bem o chão, esfregar bastante para sair a mesquinharia e o preconceito, nem que para isso tenha que me ajoelhar. Vou levantar o tapete e jogar fora a hipocrisia…

Vou tirar a poeira das lembranças felizes, vou jogar bom ar pela casa, vou trocar os lençóis das camas, mudar um coisa de lugar, pintar as portas de branco, trocar as cortinas amareladas e abrir as janelas para que o vento entre saltitante pela casa… Vou olhar pausadamente e nostalgicamente as fotografias dos meus queridos, vou entrar no quarto, respirar fundo e despertar o amor.

Não vai ficar nada do jeito que está, vai dar trabalho, vou ter que por muito cloro no chão, vou ter de lustrar os móveis, aspirar a poeira, recolher muito entulho, mas depois vou me sentir verdadeiramente renovada para o novo ano, para minha nova vida, para meu novo coração. Já posso até ver… Da janela aberta vou dar tchau para quem não acrescenta nada na minha vida…

Deixe seu comentário. É muito importante para mim.