Algo que você nunca pensou sobre sua mãe

bebe-dormindo 

Escrever sobre o dia das mães é algo que me fez pensar muito antes de sentar aqui e digitar este texto. O assunto é bem extenso, várias histórias comoventes, belos exemplos, fatos marcantes…

Porém, meu intuito é falar um pouco sobre as grandes e célebres frases que todas as mães usaram e usam. Pesquisei várias, me lembro de ter ouvido todas. A mais famosa é “quando eu morrer você vai dar valor”, fico imaginando aqui como esta frase me dava medo só de ouvir, nem imaginava porque era doloroso demais, mas tinha um efeito fantástico para evitar qualquer coisa que estava deixando minha mãe triste ao ponto de uma ameaça tão terrível!

Eu, como a maioria das crianças, não era flor que se cheirasse, então aprontava todas, azucrinava minha irmã, tinha um gênio forte, entre outras características, quando aprontava alguma coisa e ouvia da minha mãe “se correr vai ser pior”, eu aceitava o fato de que ficar e apanhar era uma decisão acertada naquele momento. O máximo que eu fazia era não chorar, o que a irritava mais, mas se eu chorasse ela dizia “engole esse choro”, vai entender!

Muitas vezes ouvi conselhos de muitos coleguinhas e já chegava a conclusão de que tudo estava certo, já que todas as outras crianças faziam, por que eu não iria também fazer? Mas não era bem assim, quando contava para minha mãe nossas “magnânimas ideias” eu ouvia em voz ameaçadora “você não é todo mundo”, daí não adiantava chorar, bater pé, ou rolar no chão, acabou, aceitava e ia logo dormir para tentar esquecer.

Em lugares como igrejas, festas, shoppings, ou seja lugares que necessitavam mais equilíbrio da minha mãe, se ela visse que estava me comportando mal, ela só me olhava nos olhos, o que já causava calafrios e dizia “quando chegar em casa a gente conversa”, pronto, toda a minha alegria tinha caído por terra, essa frase sugeria algo muito temido: uma boa chinelada na bunda para respeitar os mais velhos!

E quando sumia alguma coisa, eu, minha irmã, papai, quem fosse não achava de jeito nenhum, daí ela gritava de longe com raiva “se eu for ai e achar, vou esfregar na tua cara”, pior que não encontrávamos mesmo e ela vinha correndo, quando procurava achava, nessa hora tínhamos de fazer cara de paisagem, porque mãe é igual bruxa, encontra tudo que procura!

Mas sabemos que por mais que ela goste de fazer a linha “brava”, ela não é assim, tem um coração mole, vende uma coisa, mas é outra, ai quando quería muito uma coisa, ela esperta sabendo que se fosse o papai não deixaria, dizia “pede pro seu pai”, aquilo me matava de raiva, não tinha como argumentar, depender dele seria como recorrer a um juiz nada conciliador!

Quantas vezes querendo algo, tentava persuadir minha mãe fazendo pequenas tarefas de casa, quando terminava ia rindo até ela esperando um reconhecimento e ela dizia na maior cara dura “não fez mais que sua obrigação”, era hora de usar outra estratégia porque essa tinha falhado!

Algo muito engraçado que ouvi um milhão de vezes “você é igualzinha a seu pai”, isso não era um elogio, mas uma crítica, que para alfinetar o meu pobre pai, também me atingia em cheio, porém, caso eu tivesse feito algo muito bom, ai era com ela que eu tinha aprendido tal coisa! Vai entender!

E a mais lógica de todas, quando não aceitava um argumento que só ela achava correto, dizia “porque eu disse e pronto”, ou seja, ela tinha plena razão, nada de perguntas, nem mais uma palavra, assunto encerrado!

Poderia aqui descrever um livro sobre todas que ouvi e guardo na memória como “reza pra essa mancha sair da roupa”, muitas vezes tive que rezar mesmo! Ou “passou um furação no seu quarto?”, pior que não! Uma que tinha medo de saber o gosto “me responde outra vez que faço você comer o chinelo”. Muitas vezes nas lojas “na volta a gente compra”, em vez de falar “não tenho dinheiro minha filha”… Quando enrolava para almoçar ou jantar ela “fecha a boca e come”. Para evitar algum mal ela dizia “é de casa pra escola e da escola pra casa”. E essa “você pensa que eu sou sua empregada?”, e a gente aproveitava da nossa mãezinha na maior cara de pau!

E para fechar com chave de ouro ela dizia “um dia você vai me agradecer”, na hora eu ouvia e pensava “ela só pode estar brincando comigo”, mas o tempo passou e hoje vejo, como muitos outros filhos veem, que uma mãe para educar um filho tem que ter muito amor mesmo dentro de si, porque ela educa, briga, corrige, mas no fundo quer beijar, abraçar e dar um cheiro…

Quantas noites acordada velando pela saúde de seu filho! Quantos mimos doados para ver o sorriso de seus eternos bebês! Quantos sonhos realizados graças à essa mulher que nos deu a vida! Não deve ser fácil deixar de ser gente normal para ser mãe, porque mãe é um ser evoluído, especial, único, indescritível, inenarrável… Só sendo mãe mesmo para saber quanto amor cabe dentro de um único coração!

Meus parabéns mamães!

Deixe seu comentário. É muito importante para mim.