Trauma, quer ficar, fica, mas eu vou dar uma volta e ser feliz!

20-coisas-para-se-fazer-sozinha-128679-1

Eu raramente me deparo com alguém que não tenha passado por um trauma, que nada mais é que um dano emocional que ocorre como resultado de um acontecimento. Verdade é que ninguém quer passar por isso, mas muitas vezes temos de passar, como quem recebe uma encomenda sem querer, um acidente, um tropeço inesperado.

Sim, eu como a maioria das pessoas, já sofri traumas, mas eles também sofreram comigo, já que não me dei por vencida e fiz de tudo para afastá-los da minha vida. Fato é que no início tentei fingir que não existiam, mas nos sonhos eles vinham e depois tive de aprender a conviver com eles.

Os traumas não são humanos, mas são, na sua maioria, praticados pelas pessoas. Os traumas são murros, são socos, são agressivos. Nunca chegam sutilmente, não são serenos ou doces. Não estão dispostos a deixar facilmente o cenário que eles criaram. Traumas são roxos, fúnebres, com olheiras profundas, orgulhosos, ogros e se alimentam dos nossos sentimentos negativos. Eles querem a nossa vida.

Os traumas são bichos chifrudos, monstruosos, desfigurados que ao menor toque já machucam, rasgam, dilaceram, provocam feridas profundas, marcam não só o nosso corpo, mas a nossa alma. Os traumas são uma total e verdadeira maldade. Dardos afiados. Não há nada de bom num trauma, e sua chegada traz um sentimento de impotência, tristeza, revolta, angústia e solidão.

Não acredito que haja cura para todos, mas acredito que há formas melhores de lidar com eles. Há uma diferença de lutar contra e lutar para vencê-los. Parece muito fantasioso, mas já saí no tapa com muito trauma, já levei rasteiras, cai de cara no chão, gritei para ele sumir, para me deixar em paz, levei socos no estômago, fui esganada, imprensada na parede, mas também já eliminei muito da força que eles tinham sobre minha vida. Por isso eu afirmo lutar nunca é demais.

Não gosto de briga, mas esta razão é justa. Sobrevivência. Ninguém deveria se submeter às consequências de um trauma, quase sempre plantado à sua revelia, provocado por quem acha que as coisas da vida não voltam, por irresponsabilidade, crueldade, maldade, ignorância ou somente pelo acaso.

E quando é por acaso. Ah aquela hora errada, lugar errado, companhias erradas. O acaso é um coitado, culpado de um oceano de traumas. Uma desculpa quando falta um sujeito ou nós temos medo de procurar por um.

Muitas pessoas passam por acontecimentos ruins e tristes, poucas conseguem lidar bem com a situação posteriormente, mas existem trauminhas e traumões, e infelizmente a maioria vai passar por todos esses, desde assaltos à violência. Não preciso aqui detalhar os traumas mais comuns que nós somos submetidos!

Quando sabemos o que nos provoca o pavor, o medo e a angústia, temos a ponta do fio, não dá, definitivamente para puxar a linha de uma só vez, não temos condições emocionais para isso, mas parar frente ao terror não resolverá nossos problemas.

É preciso lutar, uma das armas é o auto-conhecimento, quando nos vemos frágeis e passivos, é necessário buscar dentro de nós uma força, que só é possível ter se soubermos a origem da nossa fraqueza. Ninguém foi preparado para sofrer golpes desse tipo, mas somos capazes de proezas desconhecidas e de conseguir enfrentar qualquer situação, das piores possíveis. Acreditem!

Na vida os traumas não são bem-vindos, mas se conseguirmos ter saúde mental e a crença nas boas realizações iremos superar qualquer trauma, derrotar qualquer pessimismo e viver de forma mais justa. Quem sabe um dia olhar nos olhos de nossos traumas e dizer: “sentem-se ai, tomem um café, fiquem a vontade, porque eu vou dar uma voltinha, hoje eu decidi ser feliz!”

Esta entrada foi publicada em agosto 22, 2016, em Cotidiano.

Seja sol num dia nublado

poemas_mulher_3

Há pessoas que não gostam de dias nublados, realmente a tonalidade das coisas perde um pouco o brilho, a cor, a luminosidade. O dia fica cinza, úmido, sombrio, às vezes venta frio. Mas, ao contrário dessas pessoas, eu gosto de dias assim.

Quando o sol não aparece é possível sentir sua falta, seu calor, sua luz. Intimamente pedimos que volte, que aqueça a pele que sente frio, que ilumine todas as diferentes cores de verdes das florestas, que traga vida às plantas e a todos os seres que necessitam dele para viver.

Num dia nublado algo mágico também acontece. Pessoas de luz se tornam sol. Gosto de percebê-las. Gosto de sentir o calor, a intensidade do brilho dos olhos, do abraço que aquece, das palavras que permeiam meus ouvidos e chegam ao meu coração.

Pessoas de luz, esses seres diferenciados fazem diferença na vida das pessoas. Todos nós, com certeza temos pessoas que nos cercam assim. Muitas vezes não percebemos, porque os olhos ficam cegos quando há escuridão dentro de nós.

Amo os dias de sol, mas prefiro os dias nublados. Quando todos sentem um pouco de depressão pelo dia que amanheceu sem sol, procuro ver o que poucos veem, e isso me torna um ser humano melhor, porque ao lado de gente de luz nos tornamos um pouco do mesmo sol. Estamos todos interligados pelo pensamento.

É preciso abrir os olhos e ver de verdade, enxergar o outro na sua plenitude, na sua essência mais profunda, no néctar de uma flor rara que se mostra em dias nublados. Eu vejo e me sinto grata.

Não há beleza mais estonteante que ver luz saindo de um sorriso, a vontade que temos é de não parar de olhar, de admirar, de absorver, de inalar, de ter um pouco do que é oferecido.

Quando abraçamos e sentimos o calor que aquece a alma, que inebria os sentidos, que nos faz sair da terra e passear pelo céu em questões de segundos, que agita o coração e faz pulsar a vida dentro de nós, revigorando nossa essência, sim, estamos diante de um ser iluminado!

Onde há luz não há escuridão, tão óbvia esta afirmação, mas tão difícil de ver entre as pessoas. Para que ficar na sombra? Para que ter uma alma cinza? Para que viver na escuridão se pode ser sol?

Se ainda não somos, que possamos ser. Que seja fácil identificar pessoas assim pelo mundo. Que possamos aprender com elas, que possamos levar essa luz e esse calor para todos os seres que nos rodeiam. Seja sol num dia nublado.

Esta entrada foi publicada em agosto 17, 2016, em Cotidiano.

Para que me vingar, se eu posso viajar?

Mulher-com-malas

Infelizmente o desejo de vingança é um dos sentimentos inconfessáveis mais comuns aos seres humanos. Aconteceu alguma coisa, pronto! Já estamos preparados para pagar com a mesma moeda, talvez um pouco pior do que o sofrimento que nos fizeram…

Fato é que lidamos muito mal com frustrações, decepções e rejeição, uma vez magoados, intimamente, sentimos a vontade de devolver o mal que nos fizeram, até mesmo armando planos mirabolantes que possam nos trazer algum alívio. Machucados, só a raiva parece fazer sentido dentro de nós.

Quando pensamos, dizemos ou fazemos nos momentos de raiva, qualquer coisa que seja, que a princípio parece ser a melhor opção, onde tudo nos apresenta com maior coerência, devemos ter cuidado, porque as emoções fortes nos cegam e desvirtuam o raciocínio, diminuindo drasticamente a capacidade de visualizar caminhos novos e soluções plausíveis.

Todos sabemos que a raiva é a pior conselheira para a tomada de decisões, raramente somos capazes de dar tempo ao tempo e deixar a vida seguir o seu curso. E então, de forma drástica, vamos gastando cada vez mais energia com quem não mereceria um milésimo de segundo dos nossos pensamentos. Direcionamos nossa energia de forma negativa para sentimentos que não nos trarão nenhuma paz, a quem nos desvaloriza enquanto pessoa.

Seria quase um sonho se, nos momentos em que alguém nos provoca uma tristeza sem fim, concentrássemos os nossos esforços em tudo, em qualquer coisa, menos no que diz respeito a essa pessoa que nos feriu. Sabiamente deveríamos olhar o mundo como se aquela pessoa não mais fizesse parte dele, como se nada mais tivesse nem a sombra dela, mas agimos exatamente de modo contrário!

Sei que como ser humano também tenho essa fraqueza. Estamos longe de conseguir agir com clareza quando nos encontramos cheios de dor e tomados pelo orgulho ferido. Ainda é pior se, teimarmos em não aceitar o que aconteceu e ficarmos focados na vida de quem nos feriu. É preciso nos preservar e virar a página. Melhor que gastar energia com pessoas desnecessárias, devemos juntar nossos cacos, reconstruir nossa vida e seguir em frente com algum aprendizado.

Se devemos lutar que seja para o que for bom permaneça dentro de nós, considerando um favor o que de ruim aconteceu e nos mostrou a verdade de cada um. Porque as máscaras sempre caem! Não precisamos perder tempo com vingança, afinal, a vida, por si só, sempre se encarregará de dar a lição que cada pessoa merece, de uma maneira muito mais dolorida e perfeita do que podemos imaginar. Cabe a mim deixar que ela faça sua parte.

Então, quando sinto essa vontade, que é tão natural como respirar nos seres humanos, a de se vingar, arrumo minhas malas e parto. Viajo, me esvazio dos sentimentos negativos e me encho de alegrias, sonhos e esperança. Porque eu sempre me pergunto: Para que me vingar, se eu posso viajar?

Esta entrada foi publicada em agosto 16, 2016, em Cotidiano.

Deixa a vida te levar

orar_refletir_amar_menina

Deixar a vida te levar não quer dizer que não precisa refletir sobre seu papel nessa sociedade, mas muitas vezes pensamos demais sobre diferentes situações e acabamos por tomar decisões que não nos farão felizes ou não serão assertivas.

Não sei você, mas muitas vezes percebi que as melhores escolhas que fiz na vida foram aquelas que deixei um pouco os pensamentos, a razão de lado, e apenas observei onde o meu corpo e a minha alma melhor se encaixaram…

Quando não sabemos o que fazer, mas aprendemos a silenciar a nossa mente, a nos dar um tempo e a ver onde naturalmente nosso ser se sente mais à vontade, descobrimos que a vida pode ser mais suave e, consequentemente mais feliz.

Não adianta discursos inflamados da razão quando na verdade o melhor lugar no mundo é onde a gente cabe inteiro. E onde cabemos inteiros? Infelizmente não é a razão que pode nos responder, os sentimentos ainda são nossos melhores guias.

Por mais dura que seja, a vida ainda é sábia. O pensamento pode não entender, pode até querer contradizer, o ego vem dar opiniões incisivas, mas se a gente deixa a vida ir tomando forma sozinha, se transformando, se ajeitando, nos conduzindo, a gente entra no nosso fluxo natural, porque cada um terá um caminho a seguir, mesmo que tenhamos mudado o percurso.

Admiro demais as pessoas sensoriais, mas desde pequena percebi que a intuição sempre foi mais forte em mim, e por isso mesmo sempre gostei de exercitar minha intuição em tudo, em todas as decisões, desde a roupa que vou vestir hoje, até numa escolha profissional ou de relacionamento pessoal.

Existe uma força maior do que a razão que move a gente. E quando descobrimos isso, por mais incompreensível que possa parecer a escolha, o caminho, a decisão, a vida vai fazer mais sentido e ficar mais coerente.

A intuição é aquele passo que damos além do agora, vamos lá na frente e voltamos aqui em questão de segundos, por isso apenas sinto. Que pessoa é essa diante de mim, mesmo levando em consideração os testes, dinâmicas, entrevistas, o que passou por mim e que devo agora perceber com mais profundidade, o que esta pessoa me fez sentir? Que roupa cai melhor de olhos fechados, sem pensar na opinião dos outros? Que pessoa, amigo, amor encaixa do meu lado sem sofrimento, me traz felicidade, desenvolve o melhor em mim? Que comida entra melhor no meu corpo, que sabor é mais prazeroso? Que profissão flui naturalmente, sem interpretação, sem persuasão, sem máscaras, é o meu dom?

No final escolha sempre ficar perto de alguém que te permita ser quem você é, que te encante, que te suavize, que te faça rir, nem que seja você mesmo a sua melhor companhia. Escolha o conforto de vestir a própria pele e gostar disso.

Escolha pelo cheiro, pelo sabor, pelo colorido, pela luz que brilha, pela sensação que a presença oferece, pelo sorriso fácil, pela vontade involuntária, pela simplicidade dos gestos, pelas palavras calorosas e abraços sinceros.

Deixa a vida te levar sim, mas pelo caminho saiba escolher. Esteja atento para as relações que se ajustam, a conversa que relaxa, o caminho de vida que foi feito pra você e estava só esperando que você percebesse e vivesse. E sentisse.

Esta entrada foi publicada em agosto 11, 2016, em Cotidiano.

Onde mora a minha felicidade

tumblr_l9wc2ojtpg1qafol9o1_500_large

Do nada a gente percebe que a felicidade está aqui, nesse momento, na nossa vida, do jeitinho que está acontecendo tudo a nossa volta.

A gente respira fundo, agradece, sente-se grato. Há tantos outros lugares, pessoas, sabores, caminhos, destinos, novos prazeres, outras companhias. Mas eles esperam. Porque a felicidade está aqui, no agora.

Reconheço, que nem sempre isso acontece. Nem sempre essa impressão calma e forte nos dá o ar de sua graça. Mas quando ela vem, dá na gente uma certeza boa: o que temos e onde estamos valem mais do que todo o resto do mundo!

Não importa se estamos a sós ou em grupo, nessas horas, aqui dentro do peito, a gente sente estar no lugar certo. Aqui, onde estou agora, nesse momento da minha vida, escrevendo, eu sinto alegria.

Sinceramente eu até gosto, mas hoje não quero a manhã azul na praia mais linda paradisíaca, a companhia das pessoas amadas, não quero a noite de lua cheia, nem o friozinho do inverno. Não agora. Depois, quem sabe? Neste instante, quero só o que já está aqui, meu aqui e agora, morada tranquila de tudo que sou e tenho. Nada mais.

Só pode. Nessa hora a gente sente que a felicidade deve ser isso mesmo. Esta impressão humilde e serena de que não troca por nenhum outro o lugar onde está. Sensação honesta de que não há no mundo outro canto como este aqui, onde estamos e onde queremos estar.

Podem vir, as horas vazias, as preocupações e medos insanos, os dias cheios, as noites de frio e solidão, os momentos de dor. Podem vir! Eu encaro e suporto tudo. É que eu sei onde a minha felicidade mora!

Por isso a toda hora, em qualquer canto, quando a tristeza vier me visitar, eu peço licença, fecho os olhos com fé e vou até onde mora a minha felicidade: dentro de mim.

Esta entrada foi publicada em agosto 9, 2016, em Cotidiano.

Cuidado, isso pode não ser amor!

2_2

Hoje vemos muitas formas de demonstração de amor, uns apenas dizem, outros mostram com suas ações, há aqueles que provam o amor, mas fico aqui pensando se isso tudo por ai é amor mesmo. Porque a gente só dá o que pode, o que tem dentro do coração.

As pessoas aproveitam muito da fragilidade alheia. Principalmente daqueles que já sofreram por amor. Os encontram desprevenidos, vão logo pegando no colo, limpando as lágrimas, sendo luz num momento de escuridão. Mas o amor não pode ser a salvação, porque isso não é amor, é consolo.

Por isso apenas ame quando se sentir forte, porque o amor demanda força, equilíbrio e muita fé. Não queira um amor que veja a sua fraqueza e a queira por causa dela, que aceite seu coração bagunçado, magoado por outras histórias mal acabadas.

Desconfie das pessoas que aceitam qualquer coisa, que dizem que não querem muito, que se satisfazem com suas migalhas e vão ficando por perto, vão se apoiando na sua falta de energia e devagar vão querendo mais, vão exigindo o amor que você não está pronta para oferecer.

A gente até acha que cura um amor com outro, mas isso não existe. Enquanto não estivermos abertos e livres do peso de outros sofrimentos não poderemos amar de verdade novamente. As pessoas gostam de criar laços com os fracassos alheios, esperando que quando o outro estiver bem tudo será lindo e maravilhoso.

Isso não é amor, é um contrato, selado, esperando uma redenção. Eternamente estará em dívida com este ser tão bondoso, que foi capaz de te aceitar num momento lamentável da sua vida. Desconfie de quem chega aceitando seu mínimo, o seu pouco entusiasmo, de quem vê no seu momento de fraqueza e solidão uma oportunidade, uma chance de conquistar seu coração.

No início pode até parecer um amor genuíno, lindo, puro, que aceita tudo em nome do amor! Mais tarde você vai ver que o preço é caro demais e que amor mesmo quase não existe.

Com o tempo “esse ser iluminado” te diminui para depois te amar. Te faz pequena, para assim lhe mostrar a grandeza do teu sentimento. Te joga no chão para depois te dar a mão. E a maioria das pessoas nessa situação ainda sentem-se agradecidas, claro é difícil demais se perceber dentro desse jogo.

Por isso prefira ficar só, junte seus cacos sozinha. Lamente sim com seus amigos e não caia no papo furado de quem chega te amando quando está na pior. Como o amor pode ser mútuo, como pode ser troca boa, quando uma das partes não tem nada para oferecer? 

Pessoas boas irão aparecer, e estas estão prontas para ver o que em você é força, é brilho, é verdade. Quando seu coração estiver pronto, seu sorriso será fácil, sua alma estará arejada, sua vontade de viver e amar estará restaurada. Ninguém irá precisará construir sua autoestima, porque esta já está bem sozinha.

Temos um medo enorme da solidão, mas há momentos na vida, principalmente os frágeis, aqueles que estamos sofrendo, que talvez não seja preciso um novo amor, talvez você precise somente de um bom amigo, um travesseiro e dar um tempo ao tempo.

Por isso acredite, tem horas na vida que a gente não precisa amar, a gente só precisa refletir, acertar os ponteiros, dar uma desacelerada, para quando voltar a amar, queira entrar de olhos abertos e de coração restaurado, para depois plenamente mergulhar dos pés à cabeça.

Esvazie sua mente

tumblr_mk81nptYAq1s5etp0o1_500

As pessoas acreditam que uma mente vazia faz mal, prefiro pensar que uma mente cheia de coisas faz mais mal ainda.

Quando nos deparamos com grandes desafios pela vida não adianta seguir em frente se tivermos uma mente cheia, cansada, estressada. Boas ideias não surgem na cabeça de quem está sem tempo até para pensar.

Muitas vezes precisamos fazer uma verdadeira faxina mental e eliminarmos tudo aquilo que já não tem necessidade de estar ali. Isso inclui sentimentos, ideias, crenças limitantes e até pessoas. Vale todo esforço quando se trata de ter saúde mental.

Eu sei que não é fácil desapegar. As pessoas têm uma necessidade de guardar coisas, acumular mesmo, desde bens materiais a rancores. Os seres humanos estão cheios, depósitos ambulantes, infelizmente de coisas desnecessárias.

O processo de esvaziar a mente deve ser uma tarefa diária. Estamos abarrotados de informações, inundados de ressentimentos, entulhados de coisas. E eu te pergunto? Para quê? Chegamos a este mundo sem nada, totalmente dependentes para sobreviver, éramos frágeis, porém, nossa inteligência nos faz crer que hoje temos mais controle, que somos autossuficientes, julgamos que nem precisamos mais das outras pessoas, mas isso é um grande engano.

Ainda somos frágeis, nossa vida por ser perdida por muito pouco, ainda necessitamos de conviver com outras pessoas, precisamos de inúmeras coisas para viver, mas não podemos esquecer que, por vivermos numa sociedade doente, de valores invertidos e consumismos desmedidos, inclusive de outros seres humanos, temos obrigação de repensar em nossos valores e, se necessário lutar contra a maioria.

A verdade é que acumulamos bens materiais e esquecemos os bens do coração, a necessidade da alma, os nossos valores, nossa essência. Olhem nossos representantes políticos, observem como desviam dinheiro, como cometem atrocidades, como adquirem tantas coisas na ilegalidade!

Infelizmente a maioria das pessoas se deixam levar pela correnteza, pelas mazelas desse mundo, pelo dinheiro fácil, se corrompem, se vestem tão bem, mas estão com suas consciências mais sujas que pau de um galinheiro! Lamentável!

Por isso sigo acreditando que devemos esvaziar sempre, não podemos viver acumulando… Nossa casa, nossa mente, assim como nosso coração devem ter espaços livres para nossos valores, nossos dons, nossa essência, nosso amor pelos outros e por nós mesmos.

Que possamos nos preencher sim com sentimentos bons, que possamos ter pessoas queridas no coração, ideias e sonhos na nossa mente para melhorar tudo a nossa volta, desde a nossa vida até o mundo!

Esta entrada foi publicada em agosto 1, 2016, em Cotidiano.

A difícil tarefa de perdoar

 images

Quantas vezes isso não acontece? Já é tarde e o sono não vem. No outro dia tantas coisas precisam ser feitas, o trabalho será pesado e exaustivo, é necessário dormir, mas é impossível e nós sabemos o porquê. É que o coração está cheio de amargura e pesado, barulhento, algo aperta por dentro. Falta perdão.

Quantas vezes as pessoas nos magoam? Acho que já perdi a conta de quantas vezes isso já me aconteceu. Quantas vezes também reagi como um bicho irracional e cheia de razão, viro a cara e acho que isso resolverá os problemas. Mas não resolve. Infelizmente, muitas vezes somos imaturos, egoístas e infantis. Parece que nem temos a idade que temos.

Mas, como deve ser, o tempo passa. E nos vemos insones, doentes, tristes, amargurados, abatidos, rancorosos. O semblante sempre sombrio, as rugas se acentuando, o olhar carregado, o coração apertado, duro, peludo.

Nas muitas noites de insônia, remoemos as lembranças tristes, nos vitimizamos, nos angustiamos, até nos culpamos. Nos consumimos de medo, culpa, raiva. Por muito tempo usamos “e se” para fantasiarmos muitas possibilidades para que o acontecimento fosse resolvido de forma diferente, mas não foi. Custa muito aceitar isso.

E se eu morrer agora? E se eu não puder vê-lo novamente? E se me faltar oportunidade para me redimir? E se eu pudesse lhe explicar? E se pudesse ir agora lá e falar tudo? E se ele não quiser ouvir? E se me tratar mal? E se tudo for em vão? E se ele não perceber que errado foi ele e não eu? E se eu disser e ele não acreditar em mim? E se…

Infelizmente de todas as dificuldades da vida, a maior de todas e com certeza a mais dolorosa é a nossa pouca capacidade de perdoar. Meu Deus do céu! Como é difícil. O perdão aos outros e a nós mesmos custa tão caro, é certamente o trabalho mais duro por toda a nossa vida.

É difícil admitir, mas eu, você, todos nós somos um grande depósito de mágoas. Nosso coração acumula lixo emocional. As gavetas estão abarrotadas, os guardaroupas não fecham mais as portas, tudo está superlotado: porões, dispensas, sótãos, embaixo da cama, em todo canto. Caixas pesadas empilhadas atrapalham a passagem do ar e da luz. Dentro de tudo isso estão velhos rancores, culpas, chateações, ressentimentos, mágoas, ódios, ira, enfim, tudo endurecido pelo tempo, com as portas emperradas impossibilitando a vida de seguir seu fluxo. Tão simples (e difícil) seria se perdoássemos…

Por isso custa muito perdoar, porque estamos cheios. Somos incapazes de desculpar e explicar nossas razões tranquilamente sem explodir porque dentro temos corações tumultuados por passagens mal resolvidas, dores passadas, preocupações recorrentes, irritações corriqueiras e muitos outros entulhos. Lixo, muito lixo emocional.

Tudo isso porque temos uma grande dificuldade de perdoar, dar e receber o perdão parece quase impossível. Parece. Porém, as questões que julgamos, a princípio definitivas e imutáveis, com o tempo se mostram mais maleáveis. O tempo nos joga na cara a necessidade de perdoar, nos mostra quanto são banais, corriqueiras e ridículas nossas mágoas.

Enquanto o perdão não vem, seguiremos com o coração pesado, abarrotado, malas cheias, peito oprimido, respiração curta e olhos tristes. Com certeza morremos um pouco a cada dia sem conceder o perdão.

Não estou dizendo que somos sempre culpados, às vezes as outras pessoas nos magoaram sem nos dar chance de qualquer explicação, muitas vezes são os outros que nos mostram inflexíveis e duros demais, mas, mesmo assim, cabe a cada um de nós perdoar, não porque talvez os outros mereçam, mas para que possamos seguir em frente sem bagagens desnecessárias. Perdoar é um ato de inteligência, não de bondade.

Ou isso, ou seremos sempre aprisionados pelo passado, consumidos pelos sentimentos mais baixos, incapazes de seguir a vida com o coração leve, sereno, doce. Permita-se o amanhecer, com ele é outro dia, novas oportunidades para recomeçar. Uma hora, com todo amor que nos cabe será possível aprender a perdoar. Assim espero.

Esta entrada foi publicada em julho 28, 2016, em Contos.

Eu confio porque sou boa, mas não sou boba!

frases-de-confianca

Eu não sei você, mas para mim confiança é um bem precioso. Se eu puder confiar em alguém, tenho por esta pessoa grande consideração, sou capaz de fazer muitas coisas, de demonstrar meus melhores sentimentos de amor, gratidão e amizade.

A gente só aprende o valor da confiança quando somos testados. Sempre haverá alguém que temos muita confiança e de repente este mesmo nos mostra sua outra face. A primeira decepção a gente não esquece, justamente porque caímos facilmente de cara no chão, não estávamos esperando, sem dó nem piedade ralamos o nariz e o coração, é triste demais.

Mas a gente aprende que a decepção com as pessoas é algo que acontece e não será apenas uma única vez. É preciso saber aceitar isso. No entanto, a confiança não é algo como uma unha, que depois de cortada cresce. Demora, talvez nunca mais nasça…

Mesmo depois de muitas decepções, eu ainda acho que vale a pena confiar, nas outras pessoas. Sim, nas novas relações, porque ninguém é igual a ninguém. Se pessoas nos decepcionaram no passado, não é justo crer que outras farão o mesmo. Por isso me permito acreditar.

Claro que dá medo. Mas ainda assim é melhor dar um voto de confiança, prefiro acreditar que a maioria das pessoas tem boa índole, são boas, são puras, querem o meu bem, como eu quero para elas. Quando somos pessoas do bem não vemos maldade nos outros, por isso temos a tendência de sofrer mais depois de decepcionados.

Porém, pessoas que desconfiam de tudo e de todos é uma chatice! Não dão um crédito, não criam uma relação de verdade, não permitem que a amizade floresça nos corações. Eu sigo acreditando nas pessoas, mesmo tendo a plena certeza de que posso me decepcionar.

A confiança é um passe livre, uma catraca aberta, uma cerca derrubada, um acesso livre para o coração. Acredito piamente que onde ela está não há espaço para o ciúme, para a inveja, para intriguinhas. Onde a confiança habita não há grades, trancas, cadeados. O acesso é liberado.

A confiança desperta a verdade, e onde há verdade há luz. E onde há iluminação não é necessário explicações esfarrapadas para sanar dúvidas ou incertezas. Porque tudo é, e isso já basta!

Mas não se engane, eu confio porque sou boa, mas não sou boba. Sigo dando corda necessária para todos os que passam pela minha vida. Confesso que não espero decepções, justamente porque sou uma otimista incorrigível, mas não estou imune ao sofrimento, pincipalmente quando sou cativada. Se algum momento a corda se romper, me fecho inteira. Todos os acessos se tornam restritos e será necessário um longo e angustiante caminho até que eu me abra novamente.

As pessoas que me decepcionaram sabem disso. A confiança que eu deposito pode ser um grande prejuízo quando a perco. E infelizmente até perdoo e sigo em frente, mas em nenhum momento aquela pessoa terá a mesma consideração ou chance de se mostrar diferente. Não é bom brincar com a confiança alheia. Eu sempre tomo muito cuidado com isso, porque sei a importância que dou a ela.

Mesmo com um coração cheio de remendas e meio torto sigo confiando. Prefiro entregar a chave da casa e dar uma volta, do que ficar em casa com medo dos outros. Claro que as decepções serão em um número maior, mas quando encontramos àqueles que podemos confiar, é como achar um tesouro, uma joia preciosa. Quem quer ficar longe de pessoas assim?

Se na vida está faltando a confiança, não se demore na dúvida e nas incertezas. Convide-a para entrar em seu coração, mesmo que para isso você tenha que convidar algumas pessoas para sair, dar lugar e nunca mais voltar. Muitas vezes há pessoas que não deveriam estar ai dentro. Na sua casa, como no seu coração só deve entrar quem te faz bem, quem você pode contar, quem você pode confiar.

Não existe outra forma de viver, precisamos nos relacionar. Para ter relações duradouras, verdadeiras e de qualidade é necessário uma grande dose de confiança diariamente, caso contrário iremos criar um mundo cheio de incertezas, ciúmes, inveja, desculpas e decepções. Se for para começar algo que seja com confiança, porque sempre haverá pessoas que a mereçam.

Esta entrada foi publicada em julho 25, 2016, em Cotidiano.

Melhor que viver a vida do outro é viver a nossa vida

tumblr_mf4qf5PYGH1qgx3x4o1_500

A vida de cada um já é bem cheia de novidades, cada dia surge algum desafio novo, claro que também chegam boas novas, acontecimentos bons, mas cada amanhecer traz consigo um fardo, brando ou extremamente pesado, que não depende de nós.

Mas que chega isso chega e eu me pergunto: com tanto para se fazer pela sua própria vida, por que ainda tem gente vivendo ou se importando com a vida do outro? Será que não tem nada melhor para fazer?

Acredito que as pessoas que vivem da vida dos outros têm algumas dificuldades. Uma delas é perceber que a sua própria vida é interessante. Não conseguem dar sentido às suas vidas, não conseguem ver motivo de trilhar seus caminhos, de escreverem suas histórias, de tomarem suas próprias decisões.

Viver não é nada fácil, escrevo tanto isso que a vida pode me parecer um fardo pesado, e ela é, mas nada que eu não consiga caminhar mantendo firme o peso sobre minhas costas. Por isso mesmo não vivo da vida dos outros, pelo contrário, compartilho momentos, ajudo no que posso, principalmente daqueles que dependem de mim para alguma coisa, mas isso é diferente de viver a vida deles.

Quando vivemos a vida do outro, desprezamos a nossa. Estamos achando que a vida das outras pessoas é mais interessante, mais motivadora, mais glamorosa. Mas não é.

As redes sociais principalmente têm um peso grande sobre isso. Vendem sorrisos falsos, abraços superficiais, beijos relâmpagos e relacionamentos duvidosos. É uma guerra de quem é mais feliz. Não foi para isso que estas redes foram criadas, mas as pessoas, revelando uma carência quase incurável a usam para este fim: mostrar uma felicidade irreal.

Atendendo muitas pessoas já constatei que a maioria não se conhece, não sabe quase nada sobre si mesma. Cada dia mais as pessoas se distanciam de si mesmas, sabe por quê? Porque vivem da vida dos outros. Compram coisas para parecer com fulano, andam e vivem para parecer com beltrano, mas nem conhecem de verdade a vida de sicrano!

Percebem que o tempo passa rápido demais e a nossa vida mesmo não sabemos como anda? Vivemos uma fuga de nós mesmos. Imaginamos e fantasiamos uma vida maravilhosa para as outras pessoas, mas isso é uma ilusão, todos passam por problemas, todos têm suas dificuldades, todos sofrem, entristecem, choram, lamentam, sentem-se perdidos e desanimados em algum momento da vida.

Toda essa angústia que muitas vezes sentimos e não sabemos expressá-la é quase um grito oprimido de nosso ser querendo se descobrir, cansado de viver de “faz de conta”, da vida que não é dele mesmo, mas dos outros.

Uma hora é necessário despertar dessa vida de mentiras, de aparências, de irrealidades. Custa muito ser um ser humano consciente de si mesmo, mas ainda assim é a melhor forma de algum dia chegar à felicidade, ter a satisfação de saber quem somos e porque estamos aqui, que não somos uma folha seca sendo jogada pelo vento impossibilitada de decidir seu próprio destino.

A melhor forma de viver ainda é viver a nossa vida, mesmo que nos pareça a pior de todas. Cada um tem uma força enorme dentro de si. Cada vida é cheia de significados. Ninguém vem a essa vida por nada. Por isso mesmo é preciso despertar, acordar, perceber, sair da zona de conforto e principalmente parar de viver a vida do outro.

Como já disse muitas vezes a vida já é demasiadamente pesada, vamos deixar que cada um carregue seu fardo, se for para ajudar, podemos até ser solidários, mas não podemos esquecer que somos responsáveis pela nossa própria vida e cabe a cada um de nós viver a vida em busca da nossa felicidade.

Esta entrada foi publicada em julho 22, 2016, em Cotidiano.